Nos últimos meses, com o aumento da comunicação através dos canais digitais, a experiência do usuário aumentou muito, afinal as empresas precisam melhorar a navegabilidade e confiabilidade do público para se destacar no meio do “oceano azul”. Vamos entender da experiência do usuário para depois entrarmos na experiência de conteúdos, combinado?

O que é experiência do usuário?

A experiência do usuário diz respeito sobre como a pessoa se sente ao navegar pelo seu site, blog, aplicativo ou qualquer outro canal online.

Note que isso vai além da eficiência, ou seja, com que facilidade a pessoa consegue completar as tarefas. É claro que isso afeta a experiência, como um todo, mas é apenas uma parte do que deve ser levado em conta.

Em alguns casos, pode ser que o usuário consiga concluir todas as tarefas de maneira relativamente rápida, ou acessar as informações que busca, mas se sinta pressionado ou frustrado durante o processo.

Por conta desse componente emocional, nem sempre é fácil entender exatamente como está a experiência do usuário, porém existem vários mecanismos e técnicas que ajudam bastante.

Principais pilares

1. Estética

A estética certamente não é o elemento mais importante, tampouco o único, da experiência do usuário, mas é sim um dos pilares quando a consideramos. Por quê?

A primeira impressão serve para dar uma noção de como vai ser o restante da experiência. Sendo assim, uma interface atrativa já fortalece a confiança do usuário de que a navegação vai ser boa.

2. Usabilidade

A usabilidade é fundamental para complementar a estética, isto é, para fazer com que o visual não seja apenas bonito, mas também funcional.

A usabilidade define com que facilidade e eficiência os usuários conseguem navegar pelo site ou app. Quanto melhor ela for, maior a probabilidade de a sua persona ficar satisfeita com a experiência.

3. Arquitetura de informação

A arquitetura de informação trata de como as informações são organizadas em uma página.

Em outras palavras, o trabalho de AI (arquitetura de informação) bem-feito é aquele que coloca as informações mais importantes em destaque e direciona a atenção dos usuários para os lugares certos na página.

Sem isso, a interface pode ser bonita e fácil de usar, mas não levarão a conversões.

4. Fluxos de interação

Os fluxos de interação são como que um mapa dos diferentes caminhos que o usuário vai percorrer ao usar o seu produto. Assim, a pessoa sempre vai saber onde está e quais são os próximos passos que ela pode tomar durante a navegação.

Isso ajuda os usuários a se localizar e ter bem em mente as possibilidades que o produto oferece, ao invés de se sentirem perdidos e procurar por recursos que não existem.

5. Conteúdo

O conteúdo é fundamental para a boa experiência do usuário. Pense, por exemplo, em um site institucional que conta com todos os outros pilares, mas peca pela falta de conteúdo relevante.

O usuário não vai ter uma boa experiência e vai sair da página (provavelmente para nunca mais voltar).

Quando é bem usado, por sua vez, o conteúdo dá instruções práticas e informações úteis que ajudam a enriquecer ainda mais essa experiência.

Experiência de conteúdos com foco no marketing online

Experiência de conteúdos

Ao criar sua estratégia de conteúdo, você precisa pensar que seu público irá interagir com você de diferentes formas, por meio de diferentes canais e formatos, mas que todos eles são parte de uma mesma experiência de conteúdos.

Aqui vai um exemplo: O Google Search Console agora tem um relatório chamado “Core Web Vitals”, que leva em consideração três métricas: LCP, FID e CLS — todas relacionadas à velocidade de carregamento das páginas e sua adequação aos diferentes dispositivos.

Colocando em prática

Sempre que for criar e pensar na experiência de conteúdos, foque nas perguntas certas para entregar o mais completo possível para o seu público.

1- Faça perguntas

  • Este conteúdo é do meu interesse?
  • Estou me sentindo incomodado ou irritado por esta página?
  • Tenho vontade de compartilhar isso, por quê?
  • Sinto que posso confiar no autor? Por quê?
  • Você entendeu o que quero dizer?

2- Abra um espaço rico em conteúdo

Uma ótima Experiência de Conteúdo não é limitada a uma única peça de conteúdo, ela é baseada em todo um ambiente com diferentes tipos de conteúdo, em vários formatos, estruturados de uma forma que guia e reforça o engajamento do público com a sua marca.

3- Diversifique

Quando você publica um conteúdo, seja ele em qualquer formato, a parte mais difícil do processo já foi feita: a pesquisa e estruturação da essência do conteúdo, o tom da mensagem e etc. Adaptar para novos formatos é fácil quando já se cumpriu essa etapa.

Uma boa forma de fazer isso é ter um checklist de todos os formatos de conteúdo que podem ser adaptados e criar os processos para tornar tudo isso mais simples e efetivo.

Marketing e Experiência 

É mais fácil do que quando você começou a ler este artigo, estou certa? Você não precisa fazer grandes mudanças ou investir o que não tem. Você precisa criar uma abordagem em que a criação de conteúdos de forma estratégica e tática leve em consideração o leitor do outro lado da tela.

Deixe sua criatividade fluir e invista tempo em marketing, isso irá te trazer melhores resultados do que fazer mais do mesmo!