Você já ouviu falar da personalização de conteúdos? Esse tipo de criação é o desenvolvimento de ações de marketing e materiais de forma segmentada. Vou te explicar mais.

Você usa dados de compra, navegação e de mercado para criar textos ofertando dicas e informações com experiências diferentes, levando em consideração a sua persona, o comportamento do seu cliente e o estágio na jornada de compra no qual ele se encontra.

Como surgiu?

Essa prática é um dos pilares da internet moderna, está por trás do sucesso de grandes companhias e, também, se insere nos atuais debates sobre o uso de dados pessoais, tema que vem sendo cada vez mais discutido pelos profissionais de marketing.

Nesse cenário em que os consumidores esperam experiências personalizadas, de que modo a sua empresa pode atuar, quais benefícios ela pode obter e o que você deve saber para aplicar esse recurso de forma segura e eficaz? Essas são perguntas que vamos falar agora mesmo.

Personalização de conteúdos: o que é?

A personalização de conteúdo consiste em usar dados de clientes (ou usuários) para fornecer publicações, mensagens e ofertas com base nos interesses, no comportamento ou na maturidade do cliente dentro do processo de compra.

Dois ótimos exemplos são a Netflix e a Amazon que personalizam suas homes conforme o que nós assistimos, você já percebeu? O conteúdo exibido é ajustado automaticamente de acordo com a sua localização, seus dispositivos, suas interações e vários outros registros.

Tipos de personalização

1- Personalização baseada em segmentação de mercado

Esse é o tipo mais comum de personalização. São as clássicas segmentações baseadas em nacionalidade, região, estado civil, setor, cargo e departamento ou tendências da mídia e do mercado. Essas informações são frequentemente encontradas nas definições de público-alvo.

2- Personalização baseada na jornada de cliente

A jornada do cliente abrange as diversas etapas que o consumidor percorre ao longo do processo de compra, do primeiro contato com a marca até o pós-venda.

Esse mapeamento permite que os profissionais de marketing compreendam os graus de maturidade do cliente em relação à venda e criem conteúdos para cada fase da jornada a fim de conduzi-lo até o fechamento.

Nesse caso, a personalização é geralmente baseada na fonte de origem do acesso. Usuários que chegam por meio do Google ou das redes sociais, por exemplo, geralmente são pessoas que buscam informações mais básicas. Já o público provindo de mensagens de e-mail ou landing pages espera conteúdos mais específicos.

3- Personalização focada na persona

As personas não podem ser construídas por meros modelos ou palpites. Seu propósito se justifica apenas quando são criadas a partir de estudos de mercado, históricos de compras, dados de navegação, análises de rede sociais, pesquisas com clientes e outros registros.

Com todas essas informações em mãos, temos a oportunidade de compreender a realidade, as necessidades, as dores, os desejos e os valores das pessoas.

4- Personalização a nível individual

Por fim, temos o mais profundo nível de personalização disponível, tratada em alguns blogs estrangeiros como “personalização avançada”.

Seu foco está literalmente na entrega de conteúdos individualizados, ou seja, a experiência de cada consumidor é única e inequivocamente direcionada aos seus interesses particulares.

São algoritmos avançados que coletam e analisam uma série de dados e otimizam a exibição do conteúdo de acordo com o comportamento e as decisões de cada usuário.

Processo criativo para personalização de conteúdos

Personalização de conteúdos: por que é importante?

Em uma de suas obras, Philip Kotler (pai do marketing), descreve o fenômeno como o momento em que as pessoas deixam de ser tratadas simplesmente como consumidoras e passam a ser vistas pelas empresas como seres humanos plenos, com mente, coração e espírito.

Agora é a hora do Marketing 4.0, que incorpora a visão do seu antecessor, porém, a insere dentro do atual contexto da transformação digital, movimento que marca a transição técnica e cultural dos processos tradicionais para os digitais.

Nesse novo cenário dominado por buscas, gadgets e serviços online, o consumidor espera experiências personalizadas e tende a evitar as marcas que se limitam a mensagens padronizadas.

Esse fato foi demonstrado em um estudo da empresa de pesquisa Segment, no qual 71% dos entrevistados relataram que estavam frustrados com experiências impessoais de compra.

Além disso, as experiências são adaptadas de acordo com as preferências e os interesses de cada usuário, o que torna a navegação muito mais leve e intuitiva, bem como o consumo mais tentador.

E ainda através da disponibilização de informações e soluções altamente personalizadas, os consumidores se aproximam deliberadamente das marcas e dos seus serviços.

Como fazer a personalização de conteúdos?

Aplique a personalização de conteúdos nos conteúdos da sua marca, seja através de posts, blog posts, vídeos e outras formas que vem compartilhando informações, dicas e falando da sua empresa para seus clientes.

Existem sim desafios, mas com esse processo você consegue protagonizar a nova realidade do mercado e atingir as pessoas certas nos momentos certos.

Se quiser sair na frente e aplicar de forma estratégica no marketing de conteúdo, entre em contato para que eu possa te guiar.